Geraldo, o conciliador

Em conversa com a jornalista Denise Rothenburg, do jornal Correio Braziliense, afirmei que essa eleição de 2018 vai ser vencida por quem fizer o jogo da paciência e tiver capacidade de unir as pessoas em torno de ideias. Acredito que o ex-governador de São paulo, Geraldo Alckmin, tem todas as condições para ser essa pessoa que vai unir os brasileiros.

Disse ainda que Alckmin faz bem em não se expor agora. Se ele se expuser, vão querer desgastá-lo. Se, com toda a cautela que tem, e homem simples que é, o Ministério Público se mostra disposto a fazer uma devassa na vida dele, imagine se ele estivesse dando saltos por aí.

1 Comentário

  • Luciana Carnevale

    abril 25, 04 2018 06:25:07

    Sou suspeitíssima para fazer uma análise sobre Alckmin porque o tenho em grande estima. Bom governador, político nada midiático (o que é excelente), ponderado, sério, enfim, tem todos os predicados para ser um excelente presidente da República. Não gosto de políticos messiânicos, populistas, demagogos, previsíveis. E Alckmin não se encaixa em nenhuma dessas condições. Discordo de parte da imprensa, à qual milito, que Alckmin tenha de desbravar o País imediatamente para arregimentar o maior número possível de votos e, com isso, despontar nas pesquisas como líder das intenções de voto. Balela. A boa Política também é a arte da paciência. E Alckmin exercita bem esta função. Sem contar que sou descrente no que diz respeito a pesquisas realizadas tão antes do início, de fato, da campanha. Há muita água para rolar debaixo da ponte ainda.

Deixe uma Resposta