“Ainda há juízes em Berlim!”

Em um dos julgamentos mais sensacionais da história, os juízes do TRF-4 deram uma aula de Direito e condenaram “o mais honesto” a 12,1 anos de prisão, quase três a mais do que o pedido pelo juiz Sérgio Moro, da 1ª instância, tido por seus seguidores como “perseguidor” do ex-presidente.
A frase do título desta nota (“Ainda há juízes em Berlim!”) foi narrada por François Andriex (1759-1833) no conto “O Moleiro de Sans-Souci”, e é frequentemente lembrada para ilustrar situações de enfrentamento contra a força, o arbítrio, e hodiernamente a desfaçatez, as jogadas políticas que teimam em acobertar verdades intransponíveis para enganar a boa fé de milhões de brasileiros. Venceu a fé na Justiça.
Não me regozijo com a prisão de quem quer que seja, pois conheço o sistema por dentro, mas também não nego – pelo respeito à verdade notória dos fatos – que nesse caso a justiça foi feita. Não saberia dizer a vocês se “o mais honesto” vai preso – embora a Corte que o condenou por unanimidade (3 a zero) tenha autorizado sua prisão após os recursos de praxe –  até porque não é minha atribuição.
Continuaremos, contudo, a assistir ao vivo e em cores na boca dos outrora paladinos da ética frases como “golpe”, “farsa judicial”, “mártir da democracia” e que tais.
Teoria da conspiração nenhuma, porém, será capaz de salvar o simbolismo da história de um retirante nordestino sem estudo que chegou ao cargo máximo da República em um país onde o pobre não tem vez.
Lulistas e cia. precisam baixar a cabeça e fazer “mea culpa”, admitir que conseguiram piorar o sistema que tanto criticavam, para espanto e repúdio de uma geração que acreditou que o Partido dos Trabalhadores iria limpar a política “como nunca antes na história desse país”, a inflexão redentora que nos faria enfim viver na prática os ideais da República.
Desde 2005, porém, no mensalão, o país tomou conhecimento que o ídolo tinha pés de barro, nada mais era que um bando de aventureiros em busca de poder e dinheiro embalado nos truques da marquetagem paga na Suíça com dinheiro da Petrobras, isto é, do povo brasileiro.
Tudo sob a chefia do “comandante máximo” do esquema da Lava Jato, Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-“cara”, que provou estar mais para Pablo Escobar do que para Barack Obama.

3 Comentários

  • Luciana Carnevale

    janeiro 25, 01 2018 06:11:37

    Corrigindo: antes das eleições de 2006.

  • Luciana Carnevale

    janeiro 25, 01 2018 06:13:31

    Com a devida licença do nobre colega de profissão, o jornalista Alexandre Garcia, autor da análise, você, Roberto Jefferson, foi o homem que anteviu a tudo o que assistimos hoje em dia. Foi a pessoa que ‘abriu o Mar Vermelho’ e descortinou, ao País, míope na época, e ainda hoje, por alguns petistas que insistem em defender o indefensável ‘honestão’, as tramoias do PT. Lula sabia de tudo. Lula sempre foi o manda-chuva do maior esquema de corrupção da história do Brasil e, quiçá, do mundo. Não devemos, e não podemos, sob quaisquer hipóteses, nos esquecer que Jefferson mostrou ao povo do Brasil, como ele mesmo costuma se referir a nós, brasileiros, a verdadeira face petista, os meandros, o modus operandi do crime travestido de benemerência ao povo mais pobre. Sem Jefferson, não haveria Moro (a quem rendo minha sincera reverência), tampouco Lava-Jato e muito menos a tranquilidade e a lucidez estampadas nos votos dos desembargadores do TRF4. Aliás, que a cautela e a coerência desses senhores balizem as próximas decisões do Supremo, eivado de politização, infelizmente. Viva Jefferson, viva Moro, viva a Lava-Jato, viva o TRF4 e que Lula pague pelos os seus crimes como diz a lei. Sem sangramento nas urnas ( um dos maiores equívocos alardeados aos quatro ventos antes das eleições de 2006), e sem linchamentos físicos. O que os brasileiros de bem esperam e querem é a prisão do não honesto.

  • marcos colares Ex – Pres. PTB de JM

    janeiro 26, 01 2018 08:27:54

    Dr. Roberto, mais uma vez, de publico, e uma satisfaçao ler a sua manifestaçao LIVRE E DEMOCRATICA sobre a condenaçao do mais honesto. Com a GRAÇA DA JUSTIÇA, leia-se Juiz Moro e Demais comprometidos com a MORALIDADE, guiados pela misericordia do BOM DEUS, estamos prestes a assistir o desfecho deste imbroglio satanico, por que nao dizer. O proximo passo, e aguardar a voz de prisao, do mais honesto, para que atraves desta açao, os brasileiros nao se iludam mais com as suas palavras de vitima, que infeliizmente, ainda muitos acreditam. A JUSTIÇA TARDA MAIS NAO FALHA. Assim como os DEMAIS, ele nao pode ser diferente. Que devolva aos COFRES PUBLICOS, os prejuizos causados a NAÇAO BRASILEIRA, quando a mesma , acreditou em suas falacias e promessas vermelhas.Agora, E AVANÇAR COM ORDEM E PROGRESSO.

Deixe uma Resposta